João Almeida faz o balanço de 2020 – “No início do ano nem era para ir ao Giro”

João Almeida faz o balanço de 2020 – “No início do ano nem era para ir ao Giro”

João Almeida fez o balanço de 2020, o ano no qual deixou a sua marca no panorama do ciclismo mundial, depois da sua grande prestação no Giro de Itália onde esteve 15 dias na liderança da corrida.

O português de 22 anos falou sobre o inesquecível Giro de Itália e como essa experiência o ajudou a melhorar.

” No início da temporada não era para ir fazer o Giro de Itália, só descobri que iria uns dois meses antes da corrida, depois do recomeço da temporada em agosto. Não escondo que, nessa altura estava em boas condições, motivado pelos pódios na Vuelta a Burgos e no Giro dell’Emilia, mas não tinha expectativas para o Giro. “

João Almeida na Volta a Burgos

“Estava muito confiante e motivado, mas nem nos meus sonhos mais loucos eu teria sonhado em estar no pódio na minha primeira etapa de uma grande volta.

Terminar em segundo no contra-relógio individual de Palermo foi uma loucura, com tantos contra-relogistas fortes na corrida, mas aquela etapa deu-me asas e fez-me pensar que poderia ficar com a camisola rosa dentro de alguns dias, sabendo que Ganna não era escalador.”

O primeiro contra-relógio foi decisivo, João Almeida só foi batido pelo campeão do mundo da especialidade

” Aconteceu 48 horas depois, no Monte Etna, depois de um dia duro com muita chuva e vento perto do topo, mas valeu a pena. A equipa foi incrível, dei tudo para tentar agarrar a camisola, e quando soube que tinha conseguido, fiquei chocado – simplesmente não acreditava. “

João Almeida após a etapa do Etna. 31 anos depois, um português voltava a vestir a maglia rosa no Giro.

” A partir daí, tive uma experiência de 15 dias surpreendentes na liderança da geral e posso dizer que cada vez que tinha aquela camisa icónica nos ombros, sentia um enorme impulso de confiança, motivação e responsabilidade. “

No segundo contra-relógio o português manteve a liderança

” Um dos meus melhores dias foi no Piancavallo, onde me senti incrivelmente forte e subi sem esforço, mantendo a camisola rosa ao concluirmos a segunda semana. “

Final da etapa em Piancavallo, concluía a segunda semana de prova mantendo a liderança

” Perdi-a alguns dias depois, no Stelvio – outra etapa que nunca esquecerei – não porque estava fraco, mas porque os outros foram mais fortes. Naquele dia acabei vazio, foi longo e difícil, principalmente porque veio depois de vários dias exigentes que deixaram desgaste. “

João Almeida foi gigante, no gigante Stelvio

” Apesar disso, continuei e consegui terminar em quarto lugar da geral, o que foi algo enorme para a minha primeira participação numa grande volta. “

” Senti-me feliz e orgulhoso em Milão, onde minha família esteve comigo, sentindo que essa jornada de três semanas me ajudou a melhorar muito mentalmente e a me tornar muito mais forte. “

” Também me senti privilegiado por ter vivido esta incrível aventura junto de uma equipa excepcional, um grande grupo de ciclistas que se viraram do avesso por mim e contribuíram para os meus inesquecíveis 15 dias consecutivos na maglia rosa. “

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do MARRETAMAN.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Noticias relacionadas

Colnago V3Rs Tdf, a primeira bicicleta oficial do Tour de France

Colnago V3Rs Tdf, a primeira bicicleta oficial do Tour de France

Giro de Itália – Resumo final

Giro de Itália – Resumo final

NOVA Canyon Speedmax CFR TT disc para  contrarrelógio

NOVA Canyon Speedmax CFR TT disc para contrarrelógio

Giro de Itália – Resumo etapa 18

Giro de Itália – Resumo etapa 18

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a Newsletter

* Preenchimento necesssário

Escolha a newslwtter que pretende receber:

Categorias de Artigos